Nestor Piva: "Mudou tudo. Pegamos de 0 atendimento para quase 18 mil até hoje."

Por Ascom/Neston Piva

Publicado em 19/02/2019 as 09:49

Na tarde dessa segunda-feira, 17, a Gestora Administrativa da Unidade de Pronto atendimento (UPA) Nestor Piva, Jória Dias, concedeu entrevista ao radialista Carlos Batalha, apresentador do programa "Batalha na Jornal, com transmissão na 91,3 FM e 540 AM.

De início, a Gestora realizou retrospecto da situação encontrada pelo Centro Médico do Trabalhador ao assumir o controle de gestão da unidade.

"Pegamos uma situação com a UPA fechada, com 0 de atendimentos aos usuários no início do ano. Para, com cerca de 40 dias alcançarmos a marca de 17524 atendimentos", revelou Jória.

Na oportunidade, foi esclarecido que a forma de atendimentos na unidade leva-se em conta a classificação de risco. Seguindo os critérios vermelho, azul e verde (classificada por enfermeira treinada e capacitada para realizar o procedimento).

A gestora esclareceu que não adianta chegar gritando, debatendo e com a mão na cabeça. Pois, a classificação derruba isso.

"Temos aparelhagem para definir a classificação de risco. As pessoas não estão habituadas. O Nestor Piva não funciona como posto de bairro", ressaltou.

Em outra parte da entrevista, Jória explicou sobre a demora para ocorrer o atendimento. De acordo com ela, isso deve-se a cultura do povo de querer ser atendido por ordem de chegada, sem levar em conta o critério de risco da classificação, e a falta de atendimentos no Fernando Franco.

"A paralisação dos atendimentos no Augusto Franco e a superlotação no HUSE provocou o excesso de procura na nossa unidade. A demanda aumentou muito", enfatizou.

Em contraste ao elevado número de atendimentos, atual gestão tem proporcionado meios de oferecer conforto e comodidade aos usuários, servidores e corpo médico. Seja, segundo a Gestora, através da disponibilidade de um novo setor de observação, a estruturação climática da unidade e oferta de uma prestação de serviço com qualidade e eficiência.

"São 7 médicos diariamente (04 clínicos, 01 cirurgião, 01 ortopedista e 01 farmacêutico), além de enfermeiros e auxiliares.

Próximo de encerrar a participação, Jória destacou que a UPA trata-se de uma unidade de pronto atendimento.

"Recebemos o paciente, fazemos a estabilização e realizamos o encaminhamento. A população não entende a função do pronto atendimento", concluiu.

Ao terminar a entrevista, a Gestora lembrou que novas acomodações e reformas estão sendo realizadas para serem entregues nos próximos dias a população.