Sancristovenses participam das oficinas de revisão do Plano Diretor

Por Ascom/ São Cristóvão

Publicado em 11/12/2018 as 17:42
Fotos: Heitor Xavier

Na noite dessa segunda-feira (10) iniciaram-se as oficinas de revisão do Plano Diretor de São Cristóvão. A ação, que aconteceu no Auditório do Sergipe Parque Tecnológico (SergipeTec), localizado na Rodovia João Bebe Água, no Rosa Elze, tem como foco o diagnóstico do município, embasando assim a construção das diretrizes que farão parte do documento final. Na ocasião, representantes da empresa Demacamp – Planejamento, Projeto e Consultoria – vencedora da licitação para realizar a revisão dos planos de São Cristóvão e Estância, contratada pelo Governo de Sergipe (através de recursos do Programa Regional de Desenvolvimento do Turismo – Prodetur, por meio do Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID), apresentaram um panorama geral de São Cristóvão, incluindo fatores sociais, econômicos, turísticos e culturais.

A primeira etapa do Plano Diretor foi o lançamento da revisão, que aconteceu no primeiro semestre deste ano. Nesta segunda etapa será feito o diagnóstico do município, e as seis oficinas apresentarão o resultado deste raio x. O Plano Diretor que está sendo construído é na verdade uma revisão do documento que foi feito em 2009. Pela legislação, a cada dez ano é preciso fazer essa reavaliação.

“Inicialmente seriam nove meses, mas foi estendido até abril de 2019, por conta do processo de eleição e outras pausas. Dividimos o território de São Cristóvão em seis áreas, através do trabalho do núcleo gestor (que envolve prefeitura, sociedade civil, entidades públicas, movimentos sócias, etc), e agora a partir dessas seis áreas e suas características particulares, nós estaremos trabalhando em cada local. Serão seis encontros mais um, chamado de ‘oficina temática’, com entidades representativas do município. As oficinas servem para mostrarmos o que conseguimos fazer de leitura técnica e de leitura comunitária. A parte técnica foi construída através de reuniões com os secretários e suas equipes, entendendo quais são as questões de potencialidades e fragilidades do município e em paralelo, com o apoio dos agentes de saúde, fizemos uma pesquisa com a comunidade, para identificarmos a visão que a população tem da cidade, o que foi super rico, pois daí podemos cruzar as informações do ponto de vista técnico comparando com o olhar da população, do que o cidadão sente”, explicou Heloísa Diniz de Resende, interlocutora da Demacamp em São Cristóvão.

O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, Fernando Carvalho destacou a importância da revisão do Plano Diretor. “Foram feitos levantamentos de campo e estudos, e hoje estamos apresentando o que se está buscando para a construção do plano, trazendo essa discussão para ser debatida com a comunidade, onde todos possam contribuir para o desenvolvimento de nossa cidade, sempre levando em consideração o desenvolvimento social, econômico e a preservação do meio ambiente. É importante que o cidadão sancristovense saiba que ele pode decidir o seu próprio destino, mostrando a cidade ele quer ter. Como estamos falando do processo de revisão e construção, as pessoas ainda estão começando a entender a importância de participar da revisão do Plano Diretor, que é algo novo para todos nós. Queremos sempre que mais pessoas debatam, discutam o futuro da cidade. Quero agradecer aos técnicos da Demacamp pela metodologia participativa e espero que de alguma forma este estudo venha trazer melhorias para a vida da população”, disse Fernando, que agradeceu também ao SergipeTec pelo apoio logístico neste processo.

Para o vereador Pereira, a ação tem importância por trazer dados para o município. Na ocasião, ele enalteceu o papel do prefeito Marcos Santana no processo de construção de uma cidade onde a opinião da população é primordial para o desenvolvimento local. “A revisão do Plano Diretor está no caminho certo, ouvindo o povo e a gestão municipal, pois é no dia a dia que vamos aprimorando cada vez mais o olhar para o desenvolvimento da cidade e para o que pode ser melhorado. Parabenizo todos que estão fazendo parte do processo desta oficina. A população precisa acreditar mais e participar mais deste processo de mudança. A gestão do prefeito é nova, mas já demonstrou o compromisso com o povo. O chefe do executivo está bastante preocupado com Plano Diretor, porque pensa no futuro do povo sancristovense”, pontuou o vereador.

Segundo Manoel Lima Rodrigues, líder comunitário do loteamento Santo Inácio, as oficinas são fundamentais para a construção de uma cidade desenvolvida. “Toda essa discussão é essencial para o processo de avanço da cidade. Ultimamente estamos notando, inclusive nas comunidades, o desinteresse da população em participar das decisões públicas, o que dificulta inclusive nosso papel enquanto líderes comunitários para as discussões de assuntos referentes ao nosso cotidiano enquanto moradores. Precisamos estar mais presentes, discutir mais, e que isto seja algo que aconteça neste processo de elaboração do Plano Diretor para os próximos dez anos”, analisou.

Para o líder comunitário do Rosa Maria, Moshe Bem Shalom, a oficina foi essencial para abordar questões ligadas à vida do morador. “Servem para ordenar questões do dia a dia, organizando a cidade. Sempre que acontecer aqui no Grande Rosa Elze esse tipo de encontro eu farei questão de participar e dar a minha parcela, pois julgo a opinião do morador como algo de suma importância neste processo de se pensar a cidade”, finalizou.

Futuro

Segundo pontuou Heloísa, no Plano Diretor acontecem avanço e retrocessos. Desta forma, durante a oficina foi perguntado ao público: “que futuro você imagina para São Cristóvão no futuro?”

“Durante nossa dinâmica vamos conversa com a população sobre o que se esperar da cidade. Assim vamos traçar um retrato e também perguntar o que se espera para os próximos dez anos, lá na São Cristóvão de 2028? é justamente nesta parte do processo que observamos os desejos de mudanças que a população tem para com a cidade. Estamos fazendo o retrato de hoje e a prospecção de futuro”, completou.

Confira a programação das oficinas

Dia 11/12

17h, na Associação de Moradores do Pov. Pedreiras.

18h30, no Glorita Portugal, Rosa Elze.

Dia 12/12

17h, Escola Rural de Rita Cacete.

18h30, no CRAS, Centro Histórico.

Dia 13/12

17h, Escola do Povoado Feijão.