Colégio Estadual Francisco Rosa faz parceria com empresa privada para receber projeto-piloto de Horta Viva

Por Ascom/Seed

Publicado em 17/04/2019 as 09:12

O Colégio Estadual Francisco Rosa, localizado no bairro Bugio, em Aracaju, chamado carinhosamente pela comunidade escolar de “Chicão”, receberá no mês de maio a primeira horta escolar implantada pela empresa sergipana Fioberglass. 

O projeto será assegurado pela união de forças entre alunos, pais de alunos, professores e comunidade geral, que participará das atividades desde a preparação do solo até a colheita. “É muito emocionante poder transformar o ambiente em que trabalhamos e vivemos dessa maneira. Mudar a vida dos alunos, trazer a comunidade para a escola, tudo isso é ganho. Fico muito orgulhosa de fazer parte de uma equipe que se empenha para fazer esse tipo de coisa acontecer”, diz a professora de Biologia, Beijanivy Abadia

A escola foi escolhida pelo empresário Antônio Souza, por ter implantado atividades além da rotina pedagógica, a exemplo da disciplina eletiva “Mãos realizando sonhos”.

Proprietário da empresa Fioberglass, com 30 anos de experiência no ramo de fibra de vidro, Antônio Souza decidiu reaproveitar sobra de material de mais de 10 anos na construção de hortas em escolas de Aracaju, escolhendo o Colégio Estadual Francisco Rosa para dar início ao projeto Orelhão Horta Viva. “No início da década de 1990 a empresa prestou serviços para implantação e restauração de orelhões, mas com a popularização da telefonia móvel, acabou ficando com um grande estoque de material, explica Alyson Leite, advogado da empresa e colaborador do projeto.

Incomodado com a falta de destinação correta, o empresário criou o projeto e passou a buscar formas de levar suas ideias às escolas aracajuanas. Ao conhecer o projeto “Mãos realizando Sonhos”, coordenado pela professora de Biologia, Beijanivy Abadia, o Estadual Francisco Rosa foi o escolhido para receber o projeto-piloto. “Queremos levar a Horta Viva para todas as escolas, mas precisamos de apoio. A Adema sinalizou a viabilidade, mas precisa de um piloto. É aí que entra o Francisco Rosa”, disse Alyson leite.

O colaborador do projeto ainda ressalta que nas próximas semanas os alunos irão preparar o espaço onde a horta será implantada. Também deverão ser doadas à escola lixeiras para coleta seletiva, com o intuito de incentivar ações voltadas à preservação do meio ambiente.