Dezembro Vermelho: Saúde inicia ações do mês de conscientização sobre a Aids

Por Agência Aracaju de Notícias

Publicado em 03/12/2018 as 20:00

Informar e provocar reflexão de que é possível viver com HIV, sem estigma e preconceito, bem como realizar ações preventivas, orientações e de diagnóstico. Esses sãos os objetivos do Dezembro Vermelho, mês de campanha nacional de conscientização sobre a Aids.

Para isso, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) iniciou nesta segunda-feira, 3, as atividades alusivas à campanha, através do Programa Municipal de IST/Aids e Hepatites Virais. A ação foi iniciada nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) Augusto Franco e Edézio Vieira de Melo, numa parceria com a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), que levou a temática do HIV de forma lúdica através do Teatro Cones.

“Hoje estamos trabalhando o preconceito com as pessoas portadoras do HIV, uma vez que a mortalidade ainda é muito grande, e, segundo os nossos dados, é o mesmo número de pessoas que morrem no trânsito do Brasil. Assim resolvemos chamar atenção das pessoas em forma lúdica e de abraços”, enfatizou o ator que trabalha na educação para o trânsito da SMTT, Paulo Rodrigues.

Durante as ações, as equipes ainda reforçaram que desde o início do segundo semestre as UBS disponibilizam testes rápidos, com resultados em até 15 minutos. Se for positivo, a pessoa é encaminhada ao tratamento no Centro de Especialidade Médica (Cemar) Augusto Franco. É importante lembrar que somente no Cemar é dispensada toda a medicação para o tratamento, de forma gratuita, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Programação

Durante todo o mês, estão sendo programadas atividades relativas ao Dezembro Vermelho, com palestras e ações. Até a próxima quinta-feira, 06, as UBS receberão o teatro Cones da SMTT, levando de forma lúdica o que é HIV, como pega e como se prevenir, evitando preconceito e estigma.

Já no dia 07, acontece na sede da SMS um momento de reflexão e sensibilização sobre HIV/AIDS no mundo. De 10 a 17 deste mês serão realizadas ações de diagnóstico precoce no Aeroporto (10), Rodoviária Velha (12), Terminal Maracaju (14) e Rodoviária Velha (17).

Já no dia 19, será realizado o workshop 'HIV/AIDS na Atenção Básica, o cuidado compartilhado', para profissionais médicos e enfermeiros no auditório da escola Presidente Vargas, a partir das 8h.

No dia 20, CineSUS traz a exibição de 'Vivendo e convivendo com HIV/AIDS'. No dia 27, ações de educação permanente, com reunião com CCIH hospitais públicos e particulares: importância da notificação. Já no dia 28, ação de prevenção, com a blitz da camisinha na rótula do RioMar Shopping.

Dezembro Vermelho

O 1º de dezembro foi instituído como Dia Mundial de Luta contra a Aids em 1988, pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “No ano passado, especificamente no dia 7 de novembro, foi instituído no Brasil, o Dezembro Vermelho. A partir daí, não tivemos só o dia 1º para chamar a atenção da sociedade sobre a prevenção da Aids, e sim, o mês inteiro para fortalecer as ações educativas e de prevenção, como também os prédios públicos foram iluminados de vermelho, para alertar a população”, explicou a coordenadora do Programa Municipal de IST/Aids e Hepatites Virais, Débora Oliveira.

Ainda segundo Débora, ao criar um Dia Mundial de Combate à Aids, o objetivo era chamar a atenção sobre esse problema, desde sua prevenção até seu tratamento, e acabar com o preconceito. “É importante mostrar para a população que não se contrai Aids com um simples aperto de mão ou abraço. É importante mostrar também que uma pessoa com o vírus pode relacionar-se e trabalhar normalmente. Além disso, deve-se mostrar que, hoje, a Aids não é uma sentença de morte e que é possível, sim, viver bem com a doença. Porém, também devemos nos preocupar com sua transmissão, uma vez que é uma doença sem cura e que pode afetar a qualidade de vida de uma pessoa. O dezembro vermelho serve, portanto, como um alerta sobre a Aids e como uma forma de repensarmos nossas atitudes com os portadores da doença”, enfatizou.

Centro de Referência

O Centro de Referência para Atendimento às Pessoas com IST, HIV e Aids, do Cemar Siqueira Campos, é dividido em dois serviços: o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), e o Serviço Ambulatorial Especializado (SAE). “No CTA são realizados os testes rápidos de HIV, sífilis, hepatites B e C de [porta aberta], ou seja, sem marcação. Já no SAE, há uma equipe multidisplinar, composta por profissionais de diversas especialidades para atender as pessoas que vivem com o vírus”, informou Débora.

Sobre a doença

A Aids é uma doença causada pelo vírus HIV, geralmente por contato sexual desprotegido com pessoa contaminada, mas pode ser também transmitida por transfusão sanguínea e compartilhamento de objetos perfurocortantes. Diferentemente do que muitos pensam, ser HIV positivo não é o mesmo que ter Aids. A Aids é o estágio mais avançado da doença, quando o sistema imunológico encontra-se bem debilitado.

A Aids é uma doença que não mata por si só. Por causar um grande impacto no sistema imunológico, o paciente fica sujeito a doenças oportunistas, como a pneumonia, que surgem no organismo nesse momento de fraqueza. Assim sendo, não se morre de Aids, morre-se das complicações geradas pelas doenças oportunistas.