CONBASF discute solução alternativa para resíduos sólidos

Por Agência Empauta

Publicado em 24/04/2018 as 13:55

No dia de ontem, 23, o superintendente do CONBASF Mário Albuquerque participou de uma reunião na Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise) juntamente com alguns prefeitos dos municípios consorciados, o diretor-presidente da Codise Eugênio Dezen, e representantes do Semarh, afim de discutir sobre a definição da cessão dos galpões existentes na Codise para a utilização das cooperativas de catadores dos municípios.

Quanto ao posicionamento dos municípios, Neópolis já possui seu próprio galpão e sua situação já se encontra definida. No caso de Propriá, a Codise vai agilizar o termo de cessão do batalhão, para que também seja implantada a cooperativa na cidade. Já no município de Capela, será verificada a ocupação irregular dos galpões, para realizar a reintegração de posse, fazendo em seguida o pedido dos mesmos afim de que sejam cedidos para as cooperativas.

REUNIÃO NA FAMES

A tarde, o CONBASF realizou uma nova reunião, dessa vez com o especialista em Terceiro Setor, Takashi Yamaushi, na sede da Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (FAMES). O encontro contou com a presença de técnicos, gestores, prefeitos da região do Baixo São Francisco e a Competisan.

Takashi apresentou uma proposta para tratamento de resíduos à base de compostagem, com a utilização de becks hermeticamente fechados onde também será aproveitado o biogás resultado dessa compostagem. Seria uma solução alternativa, na qual ao invés de se fazer um aterro convencional de grande porte (que não teria lixo suficiente e possui dificuldade de realizar a coleta seletiva), seria utilizado um galpão local para ser realizada a classificação dos resíduos. O que for material para reciclagem deve ser separado para ser reciclado, já o material orgânico passaria pelo processo de compostagem para poder produzir adubos orgânicos, afim de abastecer os pequenos agricultores da região.

Esse processo seria realizado pela Agência de Desenvolvimento de Neópolis (órgão ligado à Prefeitura) e o Consórcio de Saneamento Básico do Baixo São Francisco, com a participação dos produtores rurais e aqueles que queiram trabalhar dentro desse complexo (catadores), todos devidamente registrados pela CLT.

Takashi disse ainda que o complexo teria capacidade de absorver lixo de outras cidades vizinhas, onde na primeira fase do projeto imagina algo em torno de 60 a 90 toneladas diárias, no qual a produção de lixo na região não chega a 40, e a planta permite ainda duplicar o tamanho se for necessário. “É uma proposta inédita e diferente, no sentido de não produzir aterro, nem chorume, para poder fazer um trabalho um pouco diferente do convencional”, disse.

O prefeito de Neópolis, Dr. Luizinho, achou simples e de extrema importância a ideia apresentada, podendo ser o caminho mais viável para solucionar a problemática da destinação dos resíduos sólidos. “Os municípios sozinhos não conseguirão solucionar a destinação correta do lixo. Através do CONBASF, reunindo as cidades vizinhas, acredito que será possível efetivar essa ideia inovadora”, comentou o gestor.